Você já ouviu falar de Síndrome de Burnout?

O mês de setembro é considerado o mês de prevenção ao suicídio e para fecharmos esse mês e trazer mais conscientização e conteúdo para você, nós da equipe do GoOut vamos explicar o que é a síndrome de Burnout, como ela afeta as pessoas e como é feito o tratamento e diagnóstico.

Síndrome de Burnout: o que é?

Traduzida do inglês de forma literal, “burn” significa queimar e “out”, exterior. O termo surgiu em 1970 e podemos dizer que significa algo como “queimar até o fim”. A frase é impactante e por esse motivo necessita muita atenção, pois a tradução é justamente o que acontece com as pessoas que sofrem dessa síndrome: a pessoa perde suas energias físicas e emocionais deixando de produzir qualquer coisa por absoluta falta de energia, chegando ao seu limite.

Parece algo com o que você já sentiu alguma vez? Saiba que de acordo com a International Stress Management Association, atualmente no Brasil, cerca de 33 milhões de brasileiros sofrem com essa Síndrome do Esgotamento Profissional.

Quais são as causas?

A Síndrome de Burnout provoca sintomas físicos e emocionais causados pelo excesso de trabalho em ambientes de cobrança excessiva. As causas podem ser:

  • Responsabilidade excessiva;
  • Pressão constante;
  • Longas jornadas de trabalho;
  • Contato excessivo com o público;
  • Conflito com colegas de trabalho;
  • Pouco repouso.

Essas condições de trabalho desgastantes causam um estado de tensão emocional e estresse tão profundo que mesmo nos momentos de descanso, a pessoa sente que não recuperou as energias e que não consegue mais realizar mesmo as mais simples das tarefas.

Quais os principais sintomas?

Os principais sinais e sintomas que podem indicar a Síndrome de Burnout são:

  • Cansaço excessivo, físico e mental;
  • Dor de cabeça frequente;
  • Alteração dos batimentos cardíacos;
  • Alterações do sono e apetite;
  • Dificuldades de concentração e raciocínio;
  • Alterações repentinas de humor;
  • Fadiga e dor muscular;
  • Pressão alta e problemas gastrointestinais;
  • Dificuldade em respirar;
  • Alergia e coceira crônica na pele;
  • Negatividade constante e desânimo acentuado;
  • Ansiedade;
  • Sentimentos de incompetência;
  • Falta de motivação;
  • Isolamento.

Se você se identificou com os sintomas acima, saiba que estamos vivendo um período extremamente desafiador nos sentindo cada vez mais cobrados e inseguros. Essa é uma realidade de muitas pessoas ao redor do mundo e você não está sozinho.

Devido à toda esta carga de emoções, às vezes não conseguimos identificar os sintomas desta síndrome e não damos atenção àquela “dorzinha” de todos os dias, que é um indicador de que algo não está bem. Uma dica que damos nesses casos é sempre contar com amigos e familiares que podem ser ótimos indicadores para nos mostrar que não estamos agindo de forma “normal”, e nos ajudar a reconhecer os sinais de que precisamos de ajuda.

O segundo passo é procurar apoio profissional, pois esses sintomas surgem de forma leve, mas tendem a piorar com o passar do tempo.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico da Síndrome de Burnout é feita por um especialista em saúde mental após análise clínica do paciente. Os profissionais indicados para realizar o diagnostico são os psiquiatras e os psicólogos, que também irão orientar a melhor forma do tratamento, conforme cada caso.

Como é feito o tratamento?

Após diagnosticado o profissional da saúde indicará a melhor forma de tratamento, contando com a ajuda de um psicoterapeuta e, se necessário, com medicamentos (antidepressivos e/ou ansiolíticos).

É importante dizer que a Síndrome de Burnout tem cura e o período de tratamento é definido dependendo de cada caso.

Além do acompanhamento de um psicoterapeuta e das medicações (se for o caso), outra dica interessante é começar aos poucos com algumas mudanças nos hábitos e estilos de vida.

Lembrando que, como a síndrome é gerada pelas condições de trabalho, é possível que o médico recomende um afastamento do trabalho pelo período que for necessário, assim como acontece nos casos de depressão e outras doenças psiquiátricas.

Como se prevenir?

A síndrome se desencadeia em um ambiente de trabalho pesado e hostil porém, a forma como reagimos a essas dificuldades também está dentro de nós.

Tratar sinais e sintomas logo no início são importantes, mas condutas saudáveis e algumas estratégias que diminuam o stress no dia a dia ajudam a evitar o desenvolvimento da doença.

Atividades de lazer com amigos e família, fugir um pouco da rotina fazendo um passeio ou uma viagem no final de semana, excluir pessoas negativas e fazer atividades físicas são ótimos remédios para evitar desenvolver a síndrome. Ter pessoas em que confia, ter objetivos na vida profissional e pessoal e descansar o suficiente vai manter seu foco e equilíbrio entre o trabalho e lazer.

Sempre que possível, tente também promover o autoconhecimento e autocuidado, pois quando você se conhece você já identifica os sinais de seu corpo e como fazer para manter o bem-estar físico e emocional.

Você é empresário e tem a função de gerenciar uma equipe?

Nós da GoOut estamos diariamente envolvidos com profissionais da área de alimentação e lazer e sabemos que esse é um setor que demanda um contato grande com as pessoas, exigindo sempre cordialidade, simpatia e agilidade, e muitas vezes o trabalho se estende por toda a noite.

As pessoas que trabalham neste segmento também estão muito susceptíveis a adquirirem a síndrome de Burnout e você como dono do estabelecimento não deve medir esforços para promover um ambiente agradável de trabalho, mantendo sempre a comunicação entre seus colaboradores e deixando o caminho aberto para conversas e diálogos. Esse canal de comunicação já faz toda a diferença!

Outra forma de agir é tendo empatia com o seu colaborador, não diga como você faria ou imponha soluções diminuindo o que a pessoa está sentindo. Se coloque no lugar dela e veja o que você (como proprietário) é capaz de fazer para que ela se sinta melhor.

A síndrome de Burnout é uma síndrome que se inicia no ambiente de trabalho e portanto, você é responsável pela saúde mental de seus funcionários, fique atento aos seus colaboradores, geralmente conseguimos notar quando a pessoa está agindo de forma diferente do normal, ou até mesmo se está exagerando nas pausas para o cigarro ou consumo de café.

Esperamos que esta postagem tenha conseguido trazer à luz um assunto tão importante e em alta. Fique sempre atento aos sinais que seu corpo lhe transmite e saiba diminuir o ritmo quando necessário.